Páginas

11 de abr de 2013

Tudo aos poucos se vai



Enquanto tudo se vai.
Eu simplesmente fico.
Não posso mudar.
Não posso ficar.

Tudo aos poucos se vai.
Tudo aos poucos é demais.
Não faz sentindo.
Na vida, agora, nada faz sentido.

Procuro,
Corro.
Deixo tudo.
Procuro de tudo.

Vou continuar.
Não vou parar.
A vida continua.
Nada muda.

Devagar.
Eu fujo.
Sem linhas pular.
Eu sumo.

Nanda Oly

Nenhum comentário:

Postar um comentário